Comunidade

A Comunidade do Mosteiro de São Bento em Vinhedo busca viver o Evangelho segundo a Regra de São Bento.
Os elementos básicos que caracterizam nossa forma de vida são
a oração, o trabalho, a lectio divina, o Opus Dei e a vida comunitária.

 

A oração, em suas várias formas, é a base e o sustentáculo da vida monástica beneditina.
É o reconhecimento de que nossa vida e nossa vocação têm suas raízes em Deus,
que nos chama e que fala conosco.
A oração Beneditina é, antes de tudo, um atento escutar a Deus que nos fala:
ela busca ser pura, silenciosa e simples.

 

O trabalho monástico é não só fonte de sustento para as necessidades dos irmãos e dos pobres,
mas também meio de encontrar a Deus.
A glória (presença) de Deus é buscada e manifestada em tudo aquilo que se faz no mosteiro.
Em Vinhedo os monges cuidam da manutenção e limpeza da casa,
administram o mosteiro e a Casa de Retiros Siloé, atendem o povo da região,
auxiliam no trabalho pastoral da cidade, produzem pães, mantém a biblioteca,
fazem velas e artesanato, recebem hóspedes e visitantes, acompanham retiros,
ensinam, ajudam a formar novos monges, além de uma infinidade de outros pequenos serviços
para a comunidade monástica, para os hóspedes e para a Igreja.

 

A antiga tradição da Lectio Divina é preservada e praticada diariamente no mosteiro.
Através dela, os monges mergulham na riqueza da palavra de Deus revelada,
estudam-na, meditam-na e rezam com ela.
Ela é a escuta atenta a Deus nos fala através das Escrituras.
É o guia que orienta nosso peregrinar por esta terra e que nos aponta o caminho em direção a Deus.

  

O Opus Dei é a oração comunitária dos monges.
Todos os dias, de manhã, ao meio-dia, à tarde e à noite, reunimo-nos em comunidade para,
com simplicidade e fervor, cantarmos os louvores de Deus.
Celebramos a Eucaristia e o Ofício Divino (Liturgia das Horas) em comum.
A Eucaristia, celebrada com dignidade, alimenta-nos da “fonte da vida” - o próprio Cristo -
em sua Palavra proclamada, cantada, escutada e meditada,
e em seu Corpo e Sangue recebidos como sustento para o peregrinar do monge.
Esta é a fonte da vida da Igreja, e esta é a fonte da nossa vida no mosteiro.
Através do canto dos Salmos, celebramos o louvor de Deus unidos à Igreja no mundo inteiro,
intercedendo em favor de todos os homens e mulheres, pedindo e agradecendo com eles e por eles.

 

Os monges beneditinos são cenobitas, ou seja, habitam um cenóbio.
Na linguagem atual, dizemos que vivemos em comunidade.
É o modelo de vida monástica ensinado por São Bento em sua Regra.
A busca de Deus, que é a razão da vida monástica, não é um caminho solitário ou isolado,
mas um caminho percorrido com irmãos.
A vida comunitária no nosso mosteiro se revela na oração em comum no coro,
na partilha da mesa no refeitório e nos momentos de recreação fraterna.
Também a organização hierárquica do mosteiro visa o bom andamento da vida comunitária.
O serviço e o cuidado dos irmãos uns pelos outros é ao mesmo tempo desafio
e poderosa arma contra o egoísmo e o individualismo.
É na vida comunitária que realizamos a dimensão horizontal do maior mandamento: amar.

 

Sendo nosso mosteiro uma casa dependente da Arquiabadia de Saint Vincent,
em Latrobe, Pensilvânia (Estados Unidos da América),
nosso superior  é o Arquiabade Dom Douglas R. Nowicki, O.S.B.
Dom Paulo Sérgio Panza é o Prior e superior local.
A organização do mosteiro beneditino tem dois elementos: o Abade e a Regra.
Tudo no mosteiro é regulados pela Santa Regra;
o Abade (i.e., Pai) interpreta a Regra para uma determinada situação, ou comunidade.